As despesas desses três setores somadas juntas representam 46% de todas as despesas públicas. 

O Governo de Roraima protocolou o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) para 2021 dentro do prazo legal na ALE-RR (Assembleia Legislativa do Estado de Roraima). Para o próximo ano, as projeções apontam receita orçamentária da ordem de R$ 4,3 bilhões e despesas de R$ 5,3 bilhões.

Para a educação, que concentra a maior despesa orçamentária, a previsão de despesa é de R$ 994 milhões. Depois vem a saúde, com R$ 889 milhões e a segurança, com R$ 555 milhões. As despesas desses três setores somadas juntas representam 46% de todas as despesas públicas.

Conforme pontuou o secretário da Seplan, Diego Prandino, embora o orçamento proposto seja deficitário em R$ 997 milhões, o Governo segue otimista, ante os recordes sucessivos nas exportações e a geração recorde de 700 postos formas de emprego em agosto de 2020.

Mas ele advertiu para a possibilidade de redefinição de prioridades ao longo do próximo ano.

“As obrigações legais e contratuais que o Estado possui são maiores que a capacidade arrecadatória. Portanto, o Poder Executivo, ao longo de 2021, deverá dosar suas prioridades, para que a despesa executada convirja para o montante arrecadado ao longo do período”, explicou.

 

JORNALISTA: Leandro Freitas e Siddhartha Brasil

FOTOS: Arquivo/Secom/RR

 

No mês de agosto foram exportados US$ 14,2 milhões, maior valor para um mês de agosto em toda a série histórica

 

Apesar dos reflexos na economia advindos da crise da pandemia do Coronavírus, a trajetória ascendente das exportações roraimenses que se observa desde 2019, vem mantendo-se expressiva em 2020. É o que mostra os dados da Seplan (Secretaria do Planejamento e Desenvolvimento) com base nas informações do Portal Comex Stat do Ministério da Economia. No mês de agosto foram exportados US$ 14,2 milhões, maior valor para um mês de agosto em toda a série histórica, crescendo 43,5% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Gráfico 1 – Exportações de Roraima – 2019 / 2020 (US$ milhões)

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR.

 

Conforme o secretário de Planejamento e Desenvolvimento, Diego Prandino, esse resultado positivo das exportações é essencial para demonstrar que Roraima está retomando a sua atividade econômica de forma robusta e se reafirmando como uma potência no setor agroexportador.

“Nesse período pós pandemia esse resultado é muito expressivo e há uma grande expectativa de que ocorra uma aceleração agora nos últimos quatro meses do anos, após a colheita da soja. Nós acreditamos que seguindo essa linha e seguindo esse ritmo, é bastante provável que superemos a marca de 157 milhões de dólares exportados em 2019”, destacou.

Quase a totalidade (95%) das exportações tiveram como destino o país vizinho Venezuela, que adquiriu só no mês passado US$ 13,5 milhões. “A maioria desses produtos são de gêneros alimentícios, o açucar foi o que mais se destacou, gerando receitas de aproximadamente US$ 3,7 milhões. Em seguida aparecem outros ítens como preparações de farinhas, óleo de soja, margarina e enchidos de carne e miudezas”, explicou o titular da Seplan.

No acumulado do ano as exportações roraimenses somam US$ 94,7 milhões, apresentando um crescimento de 52,4% em relação ao mesmo período de 2019.

De acordo com o diretor de Comércio Exterior da Seplan, Eduardo Ostreicher, o estado tem uma dinâmica muito grande junto aos países vizinhos e isso vem fazendo com que o comércio de Roraima sinta segurança e se estruture, aumentando o fluxo de negócios principalmente com os países que fazem fronteira.

“A gente tem observado que a cada mês esse volume das exportações tem superado metas e em 2020 nós praticamente já chegamos a um patamar que supera o conjunto 2018 e 2019. E isso tem contribuindo bastante com o PIB do nosso estado e consequentemente com a geração de emprego e renda, e principalmente no momento em que vários estados do Brasil sofrem de retração econômica”, frisou o diretor.

 

Gráfico 2 – Exportações de Roraima no acumulado de janeiro a agosto (US$ milhões)

 

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR.

 

IMPORTAÇÕES - Em relação às importações, as empresas roraimenses adquiriram do resto do mundo US$ 1,1 milhões em mercadorias, apresentando uma elevação de 108% na comparação com agosto de 2019.

A maioria das mercadorias importadas vieram da China, com destaque para as compras de centrais de ar-condicionado, aparelhos telefônicos e torneiras e válvulas.

No acumulado do ano foram importados US$ 26,7 milhões, apresentando um crescimento de 416% em relação ao mesmo período de 2019, quando foram importados US$ 6,4 milhões.

BALANÇA COMERCIAL – Quanto ao saldo da balança comercial, observa-se um resultado superavitário no mês de agosto, no montante de US$ 13,1 milhões. No acumulado do ano esse saldo salta para US$ 68,0 milhões, maior resultado em toda a série histórica para este período, crescendo 22,1% na comparação com 2019.

 

SECOM RORAIMA

JORNALISTA: Maria Fernanda Azevedo

FOTOGRAFIA: Secom/RR

Setor da construção civil é quem lidera com 331 contratações
Por Folha Web

Roraima obteve índice positivo em agosto (Foto: Nilzete Franco/FolhaBV)

Roraima obteve 700 novos postos de trabalhos formais no mês de agosto, conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O setor da construção civil é quem lidera com 331 contratações e o comércio em segundo lugar com 185 novos postos de trabalho.

De acordo com informações do Caged, Roraima obteve 2.093 mil admissões e 1.393 desligamentos em agosto, o que resultou em um saldo positivo de 700 novos postos de trabalho. 

Segundo o secretário estadual de Planejamento, Diego Prandino, grande parte do crescimento se dá pela retomada da economia tendo em vista a reabertura do comércio. A perspectiva é de melhorar principalmente nos últimos meses de 2020.

Para Prandino, a tendência é que chegando as festas de fim de ano, Natal e Ano Novo, o comércio aqueça novamente e com mais pessoas na rua, os outros setores acabem também contratando mais.

“Normalmente, no primeiro trimestre, nós não temos um resultado tão bom por conta da demissão dos temporários, que são contratados para as compras do final de ano. É no final do ano que costumamos ter um aumento. Nós próximos quatro meses, a expectativa é que a gente supere os cerca de 2 mil postos de trabalho criados no ano passado”, afirmou.

Índice de admissões e demissões na região norte no mês de agosto de 2020 (Foto: Divulgação Caged)


AVALIAÇÃO ANUAL - O resultado de agosto também contribuiu positivamente para a avaliação de empregos gerados em 2020. Agora, no acumulado do ano, Roraima obteve 14.594 admissões e 13.992 desligamentos. Com isso, o Estado obteve um saldo positivo de 602 postos de trabalho.

“Roraima estava com o índice negativo na geração de postos de trabalho até o mês passado. Agosto foi determinante para que Roraima saísse de um índice negativo de geração de postos de trabalho para um acumulado positivo”, reforça Prandino. 

Para o secretário, a possibilidade é de que Roraima supere os índices de 2019, quando o estado foi considerado o que mais gerou empregos no país em termos relativos. 

“Isso mostra que a gente está no caminho de até superar a geração de empregos do ano passado. Roraima foi o estado que mais gerou empregos em termos relativos no ano passado e este ano a gente caminha para o mesmo resultado”, completa.

Acumulado do ano na região norte (Foto: Caged)

Diego Prandino, secretário estadual de Planejamento, destacou que o resultado nas exportações do mês passado se deve ao aumento nas vendas para a Venezuela
Por Folha Web

O secretário de Planejamento, Diego Prandino, disse que Roraima também apresenta números significativos nas importações
(Foto: Ascom/Seplan)

A balança comercial de Roraima bateu recorde neste primeiro semestre, com saldo de 2020: US$ 40,2 milhões, e a corrente de comércio ficou em US$ 89,7 milhões. Esses resultados foram os maiores já registrados para um primeiro semestre de ano. 

Segundo dados do Portal Comex Stat, do Ministério da Economia, o valor das exportações de Roraima em junho deste ano foi de US$ 14,9 milhões, com um crescimento de 57% na comparação com o mesmo período do ano passado, que até então era o melhor resultado para um mês de junho. As exportações em junho também foram as maiores no ano, apresentando um crescimento de 25% na comparação com maio que exportou US$ 11,9 milhões. Sendo o terceiro aumento mensal seguido nas vendas ao exterior.

Gráfico 1 – Balança comercial de Roraima – 1º semestre


Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR 

O secretário de Planejamento e Desenvolvimento, Diego Prandino, destacou que o resultado nas exportações do mês passado se deve ao aumento nas vendas para a Venezuela, que saltaram de US$ 6,9 milhões em junho de 2019 para US$ 14,3 milhões neste ano; sendo o segundo maior valor já exportado para o país vizinho, ficando abaixo apenas das exportações realizadas em dezembro de 2019, quando foram vendidos US$ 15,2 milhões.

“Roraima vem apresentando números expressivos no comércio exterior desde o ano passado, que até então, era considerado o melhor resultado para o período. Somente no primeiro semestre de 2020, Roraima exportou 64,9 milhões de dólares, apontando um aumento de 61% em relação ao primeiro semestre do ano passado. Nosso principal parceiro comercial continua sendo a Venezuela, que no primeiro semestre respondeu com 60,4 milhões de dólares em exportações”, ressaltou Prandino.

Gráfico 2 – Exportações mensais de Roraima em 2020

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR 

Segundo o secretário, o valor exportado para a Venezuela nestes seis meses do ano é o maior já registrado para o país, apresentando um crescimento de 270% na comparação com o 1º semestre de 2019, quando tinha sido vendido US$ 16,3 milhões.

Entre os produtos exportados, o óleo de soja foi o item que mais se destacou no mês de junho de 2020, gerando receitas de aproximadamente US$ 2,7 milhões. Logo em seguida, aparecem outros gêneros alimentícios como o açúcar, com US$ 2,6 milhões; preparações alimentícias de farinhas, com US$ 1,8 milhões; enchidos e produtos de carne, com US$ 1,3 milhões; e margarina, com US$ 1,2 milhões. Todos vendidos exclusivamente para a Venezuela. 

Gráfico 3 – Exportações de Roraima no 1º semestre do ano

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR

No acumulado do 1º semestre de 2020, os itens mais exportados foram: açúcar (US$ 13,0 milhões); óleo de soja (US$ 12,6 milhões); arroz (US$ 7,4 milhões); preparações alimentícias de farinhas (US$ 7,1 milhões); margarina (US$ 5,7 milhões); e enchidos e produtos de carne (US$ 4,1 milhões). Todos estes itens vendidos em sua totalidade para a Venezuela.

 

IMPORTAÇÕES - O secretário de Planejamento ressaltou que Roraima também apresenta números significativos nas importações. 

“Neste primeiro semestre o Estado já importou 24,8 milhões de dólares, representando um aumento de 43% em relação ao primeiro semestre de 2019. Podemos afirmar que esse bom desempenho da nossa balança comercial é resultado do trabalho desenvolvido pelo Governo do Estado, que busca explorar e divulgar o potencial de Roraima e também estreitar os laços com novos parceiros comerciais”, destacou Diego.

Gráfico 4 – Importações mensais de Roraima em 2020

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR

Dentre os principais itens importados só no mês de junho, destaca-se novamente, a compra de contêineres da China, totalizando US$ 5,6 milhões. Outros itens que se destacaram foram tubos de ferro ou aço (US$ 312 mil), vindos principalmente da Argentina e Ucrânia; pneus (US$ 127 mil) do Vietnã, Malásia e China; e ar-condicionado (US$ 101 mil) da China.

No acumulado do 1º semestre de 2020 foram importados US$ 24,8 milhões, que também é o maior valor em toda a série histórica para o período, apresentando um crescimento de 434% em relação ao 1º semestre de 2019. No acumulado da balança comercial o saldo continua superavitário, fechando o 1º semestre de 2020 em US$ 40,2 milhões, e a corrente de comércio ficou em US$ 89,7 milhões, ambos os resultados foram os maiores já registrados para um 1º semestre do ano.

Tepequém é o primeiro atrativo turístico a receber as recomendações
ASCOM/SEPLAN


Foto: Detur 

Por meio da Seplan (Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento), o Governo de Roraima começou a disponibilizar aos operadores do trade roraimense os Protocolos de Biossegurança dos Serviços Turísticos, um estudo que reúne as principais orientações dos órgãos de saúde para as boas práticas sanitárias que devem ser utilizadas no período pós-pandemia, ou de acordo com a flexibilização das atividades no Estado.

A proposta é nortear os operadores sobre as condutas a serem implementadas nos empreendimentos, para que ofereçam aos turistas, consumidores e profissionais do setor a segurança necessária à prevenção da COVID-19, reforçando o Estado de Roraima como um destino seguro para a atividade turística.

A medida foi criada com base no Selo Responsável, do Ministério do Turismo, e também vai ao encontro com a proposta do Plano de Retomada Gradual das Atividades Turísticas, lançado recentemente pela Seplan. A Serra do Tepequém, situada no município de Amajari, é o primeiro atrativo a receber os protocolos. O Detur (Departamento de Turismo) da Seplan deu início nesta semana à entrega do material na localidade.

Foto: Detur 

“Nós estamos com a equipe do Detur na Serra do Tepequém, repassando os Protocolos de Biossegurança aos profissionais e prestadores de serviços turísticos da região. Cada segmento tem sua respectiva orientação e protocolo a ser seguido. Todos foram planejados e elaborados de acordo com as especificidades das atividades ofertadas”, explicou o diretor do Detur, Bruno Muniz de Brito.

Bruno reiterou, ainda, que na oportunidade também será realizado um trabalho de sensibilização quanto ao papel do Cadastur (Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos) e sua importância para a prática do turismo regular no Amajari. A ferramenta oferece cadastro online para pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor turístico.

O secretário de Planejamento e Desenvolvimento, Diego Prandino, também ressaltou que os Protocolos de Biossegurança servirão de base aos empreendedores para o retorno das atividades turísticas, constituindo  um dos eixos de recuperação do setor em Roraima.

“É fundamental que esses protocolos cheguem aos mais diversos lugares que ofertam atividades turísticas, para que contribuam, no momento certo, é claro, com a reconstrução e a retomada do turismo local e, consequentemente, resgatem a confiança daqueles que vêm ao nosso Estado. Nós trouxemos as orientações mundiais para a nossa realidade e queremos a participação de todo o trade porque, acima de tudo, temos que preservar a vida, seja do turista, seja do profissional que recebe os visitantes”, afirmou Diego.