Diego Prandino, secretário estadual de Planejamento, destacou que o resultado nas exportações do mês passado se deve ao aumento nas vendas para a Venezuela
Por Folha Web

O secretário de Planejamento, Diego Prandino, disse que Roraima também apresenta números significativos nas importações
(Foto: Ascom/Seplan)

A balança comercial de Roraima bateu recorde neste primeiro semestre, com saldo de 2020: US$ 40,2 milhões, e a corrente de comércio ficou em US$ 89,7 milhões. Esses resultados foram os maiores já registrados para um primeiro semestre de ano. 

Segundo dados do Portal Comex Stat, do Ministério da Economia, o valor das exportações de Roraima em junho deste ano foi de US$ 14,9 milhões, com um crescimento de 57% na comparação com o mesmo período do ano passado, que até então era o melhor resultado para um mês de junho. As exportações em junho também foram as maiores no ano, apresentando um crescimento de 25% na comparação com maio que exportou US$ 11,9 milhões. Sendo o terceiro aumento mensal seguido nas vendas ao exterior.

Gráfico 1 – Balança comercial de Roraima – 1º semestre


Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR 

O secretário de Planejamento e Desenvolvimento, Diego Prandino, destacou que o resultado nas exportações do mês passado se deve ao aumento nas vendas para a Venezuela, que saltaram de US$ 6,9 milhões em junho de 2019 para US$ 14,3 milhões neste ano; sendo o segundo maior valor já exportado para o país vizinho, ficando abaixo apenas das exportações realizadas em dezembro de 2019, quando foram vendidos US$ 15,2 milhões.

“Roraima vem apresentando números expressivos no comércio exterior desde o ano passado, que até então, era considerado o melhor resultado para o período. Somente no primeiro semestre de 2020, Roraima exportou 64,9 milhões de dólares, apontando um aumento de 61% em relação ao primeiro semestre do ano passado. Nosso principal parceiro comercial continua sendo a Venezuela, que no primeiro semestre respondeu com 60,4 milhões de dólares em exportações”, ressaltou Prandino.

Gráfico 2 – Exportações mensais de Roraima em 2020

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR 

Segundo o secretário, o valor exportado para a Venezuela nestes seis meses do ano é o maior já registrado para o país, apresentando um crescimento de 270% na comparação com o 1º semestre de 2019, quando tinha sido vendido US$ 16,3 milhões.

Entre os produtos exportados, o óleo de soja foi o item que mais se destacou no mês de junho de 2020, gerando receitas de aproximadamente US$ 2,7 milhões. Logo em seguida, aparecem outros gêneros alimentícios como o açúcar, com US$ 2,6 milhões; preparações alimentícias de farinhas, com US$ 1,8 milhões; enchidos e produtos de carne, com US$ 1,3 milhões; e margarina, com US$ 1,2 milhões. Todos vendidos exclusivamente para a Venezuela. 

Gráfico 3 – Exportações de Roraima no 1º semestre do ano

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR

No acumulado do 1º semestre de 2020, os itens mais exportados foram: açúcar (US$ 13,0 milhões); óleo de soja (US$ 12,6 milhões); arroz (US$ 7,4 milhões); preparações alimentícias de farinhas (US$ 7,1 milhões); margarina (US$ 5,7 milhões); e enchidos e produtos de carne (US$ 4,1 milhões). Todos estes itens vendidos em sua totalidade para a Venezuela.

 

IMPORTAÇÕES - O secretário de Planejamento ressaltou que Roraima também apresenta números significativos nas importações. 

“Neste primeiro semestre o Estado já importou 24,8 milhões de dólares, representando um aumento de 43% em relação ao primeiro semestre de 2019. Podemos afirmar que esse bom desempenho da nossa balança comercial é resultado do trabalho desenvolvido pelo Governo do Estado, que busca explorar e divulgar o potencial de Roraima e também estreitar os laços com novos parceiros comerciais”, destacou Diego.

Gráfico 4 – Importações mensais de Roraima em 2020

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR

Dentre os principais itens importados só no mês de junho, destaca-se novamente, a compra de contêineres da China, totalizando US$ 5,6 milhões. Outros itens que se destacaram foram tubos de ferro ou aço (US$ 312 mil), vindos principalmente da Argentina e Ucrânia; pneus (US$ 127 mil) do Vietnã, Malásia e China; e ar-condicionado (US$ 101 mil) da China.

No acumulado do 1º semestre de 2020 foram importados US$ 24,8 milhões, que também é o maior valor em toda a série histórica para o período, apresentando um crescimento de 434% em relação ao 1º semestre de 2019. No acumulado da balança comercial o saldo continua superavitário, fechando o 1º semestre de 2020 em US$ 40,2 milhões, e a corrente de comércio ficou em US$ 89,7 milhões, ambos os resultados foram os maiores já registrados para um 1º semestre do ano.

Tepequém é o primeiro atrativo turístico a receber as recomendações
ASCOM/SEPLAN


Foto: Detur 

Por meio da Seplan (Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento), o Governo de Roraima começou a disponibilizar aos operadores do trade roraimense os Protocolos de Biossegurança dos Serviços Turísticos, um estudo que reúne as principais orientações dos órgãos de saúde para as boas práticas sanitárias que devem ser utilizadas no período pós-pandemia, ou de acordo com a flexibilização das atividades no Estado.

A proposta é nortear os operadores sobre as condutas a serem implementadas nos empreendimentos, para que ofereçam aos turistas, consumidores e profissionais do setor a segurança necessária à prevenção da COVID-19, reforçando o Estado de Roraima como um destino seguro para a atividade turística.

A medida foi criada com base no Selo Responsável, do Ministério do Turismo, e também vai ao encontro com a proposta do Plano de Retomada Gradual das Atividades Turísticas, lançado recentemente pela Seplan. A Serra do Tepequém, situada no município de Amajari, é o primeiro atrativo a receber os protocolos. O Detur (Departamento de Turismo) da Seplan deu início nesta semana à entrega do material na localidade.

Foto: Detur 

“Nós estamos com a equipe do Detur na Serra do Tepequém, repassando os Protocolos de Biossegurança aos profissionais e prestadores de serviços turísticos da região. Cada segmento tem sua respectiva orientação e protocolo a ser seguido. Todos foram planejados e elaborados de acordo com as especificidades das atividades ofertadas”, explicou o diretor do Detur, Bruno Muniz de Brito.

Bruno reiterou, ainda, que na oportunidade também será realizado um trabalho de sensibilização quanto ao papel do Cadastur (Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos) e sua importância para a prática do turismo regular no Amajari. A ferramenta oferece cadastro online para pessoas físicas e jurídicas que atuam no setor turístico.

O secretário de Planejamento e Desenvolvimento, Diego Prandino, também ressaltou que os Protocolos de Biossegurança servirão de base aos empreendedores para o retorno das atividades turísticas, constituindo  um dos eixos de recuperação do setor em Roraima.

“É fundamental que esses protocolos cheguem aos mais diversos lugares que ofertam atividades turísticas, para que contribuam, no momento certo, é claro, com a reconstrução e a retomada do turismo local e, consequentemente, resgatem a confiança daqueles que vêm ao nosso Estado. Nós trouxemos as orientações mundiais para a nossa realidade e queremos a participação de todo o trade porque, acima de tudo, temos que preservar a vida, seja do turista, seja do profissional que recebe os visitantes”, afirmou Diego.

Este é o segundo mês consecutivo em que as exportações roraimenses atingem recorde
Ascom/Seplan

O valor das exportações de Roraima no mês de maio deste ano atingiu US$ 11,87 milhões, marcando o segundo mês seguido com recorde. Os dados são do Portal Comex Stat, do Ministério da Economia. O crescimento foi de 80% na comparação com o mesmo período do ano passado, que, até então, era considerado o melhor resultado para um mês de maio.

Conforme análises da CGEES (Coordenadoria Geral de Estudos Econômicos e Sociais) da Seplan (Secretaria Estadual do Planejamento e Desenvolvimento), esse bom desempenho das exportações no mês passado segue o ritmo do aumento expressivo de vendas para os países vizinhos, com destaque principalmente para a Venezuela, cujas exportações saltaram de US$ 4,4 milhões em maio de 2019 para US$ 11,3 milhões em maio deste ano. 

Gráfico 1 – Exportações de Roraima para a Venezuela (US$ milhões)

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: Cgees/Seplan-RR

 “Mesmo diante da crise econômica instalada mundialmente, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, Roraima conseguiu superar a marca recorde da casa dos US$ 11 milhões em exportações por dois meses seguidos. Fechamos o mês de abril de 2020 com US$ 11,5 milhões exportados, e o mês de maio com US$ 11,87 milhões. Veja que desde o ano passado Roraima vem crescendo no comércio internacional. Em 2019, o estado exportou US$ 156 milhões, valor dez vezes maior que o registrado em 2018”, pontuou o Secretário de Planejamento e Desenvolvimento, Diego Prandino.

O titular da Seplan também explicou que, no acumulado do ano, já foram exportados para a Venezuela US$ 45,97 milhões. “Na cotação do câmbio atual, isso representa mais de R$ 223 milhões, o maior valor de vendas para o país vizinho em toda a série histórica”, afirmou.

Entre os produtos exportados, o óleo de soja foi o produto que mais se destacou no mês de maio de 2020, gerando receitas de aproximadamente US$ 2,5 milhões. Em seguida, aparecem outros produtos alimentícios, tais como açúcar, (US$ 2,1 milhões), preparações alimentícias de farinhas (US$ 1,5 milhão) arroz (US$ 1,3 milhão) e enchidos e produtos de carne (US$ 1,1 milhão).

 Gráfico 2 – Principais itens exportados em Roraima - maio de 2020 (US$ milhões)
Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: Cgees/Seplan-RR

Em relação às importações, foram comprados do resto do mundo US$ 2,89 milhões em mercadorias, o que representa um aumento de 841% na comparação com o mesmo período do ano passado. Contudo, na comparação com o mês anterior, houve uma queda de 14,6%.

Dentre os principais itens importados, destaca-se a compra de contêineres da China, no valor de US$ 1,88 milhão. Outros itens que se destacaram foram aparelhos de ar condicionado originados da China (US$ 234 mil), pneus da China e Tailândia (US$ 214 mil), e construções de ferro da Argentina (US$ 186 mil).

Diego reiterou que, em relação ao acumulado do ano, os resultados de todos os componentes da balança comercial seguem apresentando os melhores resultados desde o início da série histórica.

“Somente nos primeiros cinco meses de 2020, as exportações somaram US$ 49,96 milhões, representando um aumento de 61,7% na comparação com o mesmo período do ano passado. Já as importações nesses primeiros cinco meses de 2020 totalizaram US$ 18,3 milhões, um crescimento de 332%, comparando com o mesmo período de 2019”.

O acumulado do saldo da balança comercial continua superavitário, fechando os cinco primeiros meses de 2020 em US$ 31,65 milhões, ante US$ 26,66 no mesmo período do ano anterior. Esse é o melhor resultado para o período.

Roraima registrou recorde, também, na corrente de comércio (soma das exportações e importações), com US$ 68,27 milhões – um crescimento de 94,34% em relação aos primeiros cinco meses de 2019.

A  atividade atrai turistas de todas as partes do Brasil e do mundo e movimenta a economia local, gerando emprego e renda
ISAQUE SANTIAGO

A Femarh vai fazer uma análise dos rios que podem receber esse tipo de atividade sem ultrapassar o limite de operadores. Foto: Ederson Brito

Os rios de Roraima são algumas das melhores opções para a pesca esportiva no Brasil. Pensando nisso, a empresa Vilanova Amazon, que atua no ramo no estado do Amazonas, pretende investir no turismo local por meio dessa atividade que atrai praticantes do país inteiro, como também de outras localidades.

Na tarde desta quarta-feira, 22, o governador Antonio Denarium recebeu representantes da empresa Vilanova no Palácio Senador Hélio Campos para conversar sobre as possibilidades de instalar operações nos rios roraimenses.

Operadores são hotéis, barcos de pesca, entre outras atividades turísticas. Em alguns rios o número de operadores é limitado.

O empresário Vitor Vilanova, proprietário da Vilanova Amazon, pretende identificar um local adequado, com o apoio técnico da Femarh (Fundação Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos) para instalar a operação de forma sustentável.

“A nossa ideia já de muito tempo é de fomentar o turismo de pesca esportiva, um mercado grande no mundo inteiro, aqui no Estado de Roraima. Com isso vamos trazer muita gente para deixar dinheiro aqui no Estado, movimentar a economia local de Boa Vista, que é uma cidade com vários rios em volta, cheios de peixe, que dá para se explorar o turismo de forma sustentável, mas que perde para muitos municípios pequenos do Amazonas”, disse.

O governador Antonio Denarium afirmou que é importante fomentar o turismo de pesca esportiva que é um mercado muito promissor, pois Roraima tem um grande potencial pelos grandes rios repletos de diversas espécies de peixes.

O presidente da Femarh, Ionilson Sampaio afirmou que primeiro é preciso analisar onde a empresa pretende exercer a atividade de pesca esportiva, pois existem alguns rios que têm restrições em relação ao número de operadores devido a um excesso de operações ou de pescadores.

“Existem estudos em alguns rios que limitam esse número de operações, mas vamos estudar os locais que eles podem instalar novos empreendimentos, verificar a viabilidade para garantir um turismo de forma sustentável, gerando emprego e renda. O turismo é uma maneira muito eficiente de atrair investimentos para o Estado”, declarou Sampaio.