Diego Prandino, secretário estadual de Planejamento, destacou que o resultado nas exportações do mês passado se deve ao aumento nas vendas para a Venezuela
Por Folha Web

O secretário de Planejamento, Diego Prandino, disse que Roraima também apresenta números significativos nas importações
(Foto: Ascom/Seplan)

A balança comercial de Roraima bateu recorde neste primeiro semestre, com saldo de 2020: US$ 40,2 milhões, e a corrente de comércio ficou em US$ 89,7 milhões. Esses resultados foram os maiores já registrados para um primeiro semestre de ano. 

Segundo dados do Portal Comex Stat, do Ministério da Economia, o valor das exportações de Roraima em junho deste ano foi de US$ 14,9 milhões, com um crescimento de 57% na comparação com o mesmo período do ano passado, que até então era o melhor resultado para um mês de junho. As exportações em junho também foram as maiores no ano, apresentando um crescimento de 25% na comparação com maio que exportou US$ 11,9 milhões. Sendo o terceiro aumento mensal seguido nas vendas ao exterior.

Gráfico 1 – Balança comercial de Roraima – 1º semestre


Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR 

O secretário de Planejamento e Desenvolvimento, Diego Prandino, destacou que o resultado nas exportações do mês passado se deve ao aumento nas vendas para a Venezuela, que saltaram de US$ 6,9 milhões em junho de 2019 para US$ 14,3 milhões neste ano; sendo o segundo maior valor já exportado para o país vizinho, ficando abaixo apenas das exportações realizadas em dezembro de 2019, quando foram vendidos US$ 15,2 milhões.

“Roraima vem apresentando números expressivos no comércio exterior desde o ano passado, que até então, era considerado o melhor resultado para o período. Somente no primeiro semestre de 2020, Roraima exportou 64,9 milhões de dólares, apontando um aumento de 61% em relação ao primeiro semestre do ano passado. Nosso principal parceiro comercial continua sendo a Venezuela, que no primeiro semestre respondeu com 60,4 milhões de dólares em exportações”, ressaltou Prandino.

Gráfico 2 – Exportações mensais de Roraima em 2020

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR 

Segundo o secretário, o valor exportado para a Venezuela nestes seis meses do ano é o maior já registrado para o país, apresentando um crescimento de 270% na comparação com o 1º semestre de 2019, quando tinha sido vendido US$ 16,3 milhões.

Entre os produtos exportados, o óleo de soja foi o item que mais se destacou no mês de junho de 2020, gerando receitas de aproximadamente US$ 2,7 milhões. Logo em seguida, aparecem outros gêneros alimentícios como o açúcar, com US$ 2,6 milhões; preparações alimentícias de farinhas, com US$ 1,8 milhões; enchidos e produtos de carne, com US$ 1,3 milhões; e margarina, com US$ 1,2 milhões. Todos vendidos exclusivamente para a Venezuela. 

Gráfico 3 – Exportações de Roraima no 1º semestre do ano

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR

No acumulado do 1º semestre de 2020, os itens mais exportados foram: açúcar (US$ 13,0 milhões); óleo de soja (US$ 12,6 milhões); arroz (US$ 7,4 milhões); preparações alimentícias de farinhas (US$ 7,1 milhões); margarina (US$ 5,7 milhões); e enchidos e produtos de carne (US$ 4,1 milhões). Todos estes itens vendidos em sua totalidade para a Venezuela.

 

IMPORTAÇÕES - O secretário de Planejamento ressaltou que Roraima também apresenta números significativos nas importações. 

“Neste primeiro semestre o Estado já importou 24,8 milhões de dólares, representando um aumento de 43% em relação ao primeiro semestre de 2019. Podemos afirmar que esse bom desempenho da nossa balança comercial é resultado do trabalho desenvolvido pelo Governo do Estado, que busca explorar e divulgar o potencial de Roraima e também estreitar os laços com novos parceiros comerciais”, destacou Diego.

Gráfico 4 – Importações mensais de Roraima em 2020

Fonte: Comex Stat / Ministério da Economia; Elaboração: CGEES/SEPLAN-RR

Dentre os principais itens importados só no mês de junho, destaca-se novamente, a compra de contêineres da China, totalizando US$ 5,6 milhões. Outros itens que se destacaram foram tubos de ferro ou aço (US$ 312 mil), vindos principalmente da Argentina e Ucrânia; pneus (US$ 127 mil) do Vietnã, Malásia e China; e ar-condicionado (US$ 101 mil) da China.

No acumulado do 1º semestre de 2020 foram importados US$ 24,8 milhões, que também é o maior valor em toda a série histórica para o período, apresentando um crescimento de 434% em relação ao 1º semestre de 2019. No acumulado da balança comercial o saldo continua superavitário, fechando o 1º semestre de 2020 em US$ 40,2 milhões, e a corrente de comércio ficou em US$ 89,7 milhões, ambos os resultados foram os maiores já registrados para um 1º semestre do ano.